João Dória em janeiro sabia sobre a pandemia

O Governador João Dória e seu médico Guru, David Uip liberam o carnaval 2020 mesmo sabendo sobre a pandemia. Dória é o grande responsável junto com Bruno Covas pela contaminação em São Paulo.

A dupla dinâmica Dória e Covas estão comprando qualquer coisa da China e levando 10% ou mais de tudo, e quem paga? os bobos chamados de povão!

 

Em Janeiro foi instituído o comitê de prevenção de Covid-19, depois ela deleta tudo e muda seu discurso!

Gestão de João Doria direcionou concorrência do carnaval para Ambev

doria_virada_leon_rodrigues_secom_1.jpeg
Foto: Leon Rodrigues/SECOM
Jornal GGN – Documentos revelam que a concorrência para o patrocínio do carnaval de rua de São Paulo foi direcionado para que uma agência contratada pela Ambev vencesse a disputa. O Ministério Público abriu investigação para apurar o caso no final do mês passado.
De acordo com reportagem da rádio CBN, a agência Dream Factory foi orientada por integrantes da gestão do prefeito João Doria (PSDB) a mudar itens de uma planilha de serviços para que empresa conseguisse vencer o certame.
O edital do carnaval de rua foi publicado ainda na gestão de Fernando Haddad (PT) e estabelecia que a empresa que oferecesse o maior gasto com itens de interesse público (como banheiros químicos) ganharia a licitação.
A Dream Factory fez uma proposta de R$ 15 milhões, dos quais somente R$ 2,6 milhões eram de itens de interesse público. Já SRCOM, contratada pela Heineken, ofereceu R$ 8,5 milhões, mas R$ 5,1 milhões eram destes itens.
A rádio revelou uma gravação no qual funcionários da Secretaria de Cultura, de André Sturm, e diretores da Dream Factory discutem a questão.
Leia mais abaixo:
Da CBN
A gestão do prefeito de São Paulo, João Doria, direcionou a concorrência pelo patrocínio do Carnaval de rua para que a agência de eventos Dream Factory, contratada pela Ambev, fosse a vencedora. É o que mostram documentos e um áudio aos quais a reportagem da CBN teve acesso. As duas empresas foram orientadas por integrantes do alto escalão da gestão a alterar os itens de uma planilha de serviços para que a proposta saísse vitoriosa. O MP abriu investigação no último dia 29.
Por Guilherme Balza
O Carnaval paulistano reuniu 3,5 milhões de foliões, um recorde. O patrocinador teve exclusividade para expor a marca nos desfiles dos blocos de rua e para vender bebidas.
O edital, publicado ainda na gestão Haddad, estabeleceu que sairia vencedora a proposta com maior gasto em itens de interesse público, como segurança, limpeza, banheiros químicos e ambulâncias.
Em dezembro, a proposta da Dream Factory, agência contratada pela Ambev, foi escolhida porque as outras três concorrentes foram impugnadas. Mas uma delas, a SRCOM, parceira da Heineken, recorreu.
Em janeiro, a Comissão Avaliadora da Secretaria de Cultura decidiu recolocar a proposta da SRCOM na disputa, com o aval do secretário de Negócios Jurídicos da prefeitura, Anderson Pomini.
O valor da proposta da Dream Factory foi de R$ 15 milhões. A da SRCOM, de R$ 8,5 milhões. Após um pente-fino, a comissão avaliadora viu que na proposta da Dream Factory apenas R$ 2,6 milhões eram itens de interesse público. Na da SRCOM, esses itens somavam o dobro, R$  5,1 milhões.
A comissão avaliadora, órgão legalmente responsável pela escolha, decidiu que proposta da Heineken era a melhor, mas a gestão Doria passou por cima da decisão.
A reportagem da CBN obteve um áudio de uma reunião entre funcionários da Secretaria de Cultura, entre eles a chefe de gabinete do secretário, e dois diretores da Dream Factory.
Nela, os representantes da empresa e a chefe de gabinete narram outra reunião na prefeitura em que o vice-prefeito Bruno Covas orienta os integrantes da Ambev e da Dream Factory a alterar os itens da planilha da proposta para justificar os 15 milhões e, assim, vencer a concorrente. Participaram desta reunião o secretário de Governo, Julio Semeghini, e o da Cultura, André Sturm.
O encontro aconteceu em 17 de fevereiro, véspera do pré-carnaval. Doria estava em Dubai, em viagem oficial. O áudio mostra que empresa e gestão ainda discutiam os valores da proposta 20 dias depois da escolha ter sido homologada.
Os integrantes da Dream Factory também reclamam que, àquela altura, não poderiam inflar os valores como, segundo eles, Sturm estava pedindo.

DIRETOR DA DREAM FACTORY 1 – A Ambev é a única que pode fazer o que o secretário (André Sturm) quer. Que é aumentar o valor. É a única…

ALEXANDRE DE MORAES PODE SER PRESO? Mestre em Direito Constitucional sugere prisão do Ministro!

RSS
Follow by Email